quarta-feira, 17 de maio de 2017

Estudo para adequação de TMS no atendimento da carga fracionada


 Estudo para adequação de TMS no atendimento da carga fracionada.
Fernando H. de A. Sobral
Escopo do Projeto: Adequação do TMS para atendimento da carga fracionada com ênfase no ponto de CROSS DOCKING. Geração de etiqueta com número seqüencial para identificação dos volumes.
Quadro: Foi observada a necessidade de melhoria do sistema para operação com carga fracionada nos pontos de CROSS DOCKING, tanto na unidade Matriz como e principalmente nas Filiais.
O importante é que a ênfase seja dada na identificação dos itens, com a geração de etiquetas com números seqüenciais que facilitassem a conferência de cargas, principalmente com a identificação de cada um dos volumes na Nota Fiscal.
No caso temos duas situações. Operação durante as primeiras semanas do mês, e outra nos últimos dias quando são feito os picking.
Durante as primeiras semanas do mês: A etiquetagem acontece na matrix nas das cargas que eventualmente passam pelo ponto.
Durante o período de pico nos últimos dias do mês: Nos dias do período de pico, ou mesmo durante todo mês para cargas que serão paletizadas, a etiquetagem se dará nas filiais, tendo como principal função a conferência e controle de carga.
Antecipação das informações: Por princípio buscar-se-ia ter informações sobre a mercadoria carregada em um veículo sempre de forma antecipada. Ou seja, a partir do momento da coleta da carga as informações são disponibilizadas no sistema, considerando os seguintes campos de informação:

Tais informações são subsídio para a conferência e geração de relação das etiquetas que a princípio teriam os seguintes campos:
·         Número do Volume
·         Número da Nota Fiscal
·         Origem (Nome do Remetente e Endereço)
·         Destino (Nome do Cliente e Endereço)
·         Código do Produto
·         Quantidade
·         Data limite de entrega
O processo de etiquetagem deve se dar da seguinte forma:
Impressão da etiqueta na Matriz: -
A informação chega por email ou EDI dos fornecedores, antecipando-se a chegada da carga. Tais informações possibilitam a criação de boxes de carga, ou seja, cada Nota Fiscal do veículo possuirá um espaço reservado, sendo o procedimento conforme descrito a seguir.
1.    Procedimentos:
a.        Receber a informação de carga que chegará
b.        Comparar a informação com o caminhão na chegada
c.        Descarregar a mercadoria na área de quarentena
d.        Liberar o caminhão para a fila de carregamento
e.        Elencar volumes existentes no veículo
f.         Elencar as Notas Fiscais do carregamento
g.        Demarcar áreas da Nota Fiscal
h.        Gerar a lista impressa das mercadorias existente no frete.
i.          Alocar os itens nas diferentes áreas demarcadas da Nota Fiscal.
·  Poderá um mesmo item fazer parte de duas ou mais Notas. Neste caso, os primeiros volumes irão para o Box da Nota 001, em seguida para a NF 002 e assim por diante, até a conclusão da distribuição do item. 
j.          Concluída a alocação, será necessária uma consolidação dos itens nos boxes de cada uma das Notas Fiscais. O objetivo é de aproximação dos produtos similares.
k.        Imprimir etiquetas com os Números seqüenciais com o Código do Produto conforme relatado acima.
l.          Com o agrupamento de cada um dos itens de cada Nota Fiscal inicia-se a etiquetagem, sendo que os volumes de um mesmo item recebe um número seqüencial.
m.       Sendo o número de etiquetas igual ao dos volumes quaisquer desvios significará falta ou excesso de produtos.
Impressão da etiqueta na Filial: -
Procedimentos:
O procedimento de etiquetagem na Filial deve ser da mesma forma que na Matriz. Porém pode-se ter uma situação, onde as cargas já terem sido identificadas na Matriz. Desta forma, a operação deve ser conforme exposto a seguir:
a.    Receber a informação de carga antecipadamente
b.    Elencar itens existentes no veículo sem quantidades de volumes
c.    Descarregar a totalidade das mercadorias na área de quarentena
d.    Liberar o caminhão para a fila de carregamento

e.    Elencar as Notas Fiscais do carregamento
f.     Demarcar áreas da Nota Fiscal
g.    Alocar os itens nas diferentes áreas demarcadas da Nota Fiscal.
o   Acompanhar a transferência com a lista impressa das mercadorias existente no frete.
o   Orientar os produtos para os diferentes setores correspondentes a cada Nota Fiscal.
o   Poderá um mesmo item fazer parte de duas ou mais Notas. Neste caso, os primeiros volumes irão para o Box da Nota 001, em seguida para a NF 002 e assim por diante, até a conclusão da distribuição do item.
h.    Concluída a transferência, será necessário um retrabalho nos boxes de cada uma da Notas Fiscais. O objetivo é de aproximação dos produtos similares.
i.      Neste caso as etiquetas com os Números seqüenciais e com o Código do Produto já estarão impressas, sendo necessária somente a conferência destas.
j.      Na lista dos itens, informar a quantidade de volumes contados (conferência cega) .
k.    Validar a conferência.
No caso de paletização
l.      Levar o palete padrão para a área dos boxes das Notas Fiscais
m.   Montar a paletização
n.    Transferir a carga paletizada para o setor de carregamento.
o.    Conferir o carregamento.
p.    Liberar o veículo para viagem.
Ressalvas: O processo avaliado considera que todo o processo de conferência se dá através da utilização de listas impressas. Caso sejam disponibilizados coletores de dados, poderá haver mudanças significativas, como por exemplo, as etiquetas podem ser geradas a partir da leitura do código de barra dos fornecedores existentes nas embalagens (volumes).


                                                              Anexo 01      

                                                              Anexo 02      

                                                              Anexo 03      


Nenhum comentário:

Postar um comentário