quarta-feira, 3 de maio de 2017

Como ganhar produtividade empresarial com foco na logística.



Mangabeira Unger disse na entrevista para Roberto D’ávila nestes últimos dias que o Brasil está vivendo um grande momento. Temos um problema sério a enfrentar com respeito a corrupção e aos gastos públicos, porém precisamos mudar o foco e dar um novo rumo no desenvolvimento do Brasil. O Brasil tem praticado a venda de commodities, ou seja de produtos pouco transformados. Agora o novo modelo de desenvolvimento deve ser focado na produção e na capacitação.
Porém a produção brasileira está permeada por muitas dificuldades.
Deixando de lado os aspectos de infra-estrutura e a taxa tributária fica para as empresas buscarem maior produtividade. O aspecto de produtividade que gostaria de focar é o fazer com menos.
Tenho estudado através da Interlogis e sua equipe e até com empresas parceiras a redução de custos empresariais com foco em logística.
Muito se perde no transporte, na movimentação dos materiais, na armazenagem e gestão de estoques das empresas. O desperdício de recursos revela a ineficiência produtiva das empresas.
Os gestores sabem que perdas existem e por vezes até onde as maiores perdas estão se dando, porém faltam algumas respostas, como: Por onde se deve começar? Qual ataque a custos poderá causar maiores impactos no atendimento aos clientes? Qual é o ganho e qual é o risco?
Questões como estás é que leva as empresas a contratação de uma consultoria externa, pois as atividades rotineiras dos executivos da empresa os envolvem completamente. Notem que não é por que não sabem, mas sim por motivo de prioridades.
Porque contratar uma consultoria para dar suporte às decisões de redução de custos
As empresas têm idéias dos custos que podem ser reduzidos, porém faltam análises para comprovação de existência ou não de ganhos.
Um ponto que gostaria de deixar revelado é que consultores não têm respostas prontas. Os problemas se apresentam de forma diferente, em situações diferentes. O que uma consultoria pode ofertar são métodos e foco para aplicação de análise.
Existem dois modelos de redução de custos:
As empresas gostam de soluções onde não são necessários investimentos. Ou seja, que a consultoria encontre uma grande gafe dos gestores e comece a praticar um novo processo que permite uma grande economia. Esse é um primeiro modelo. Que pode acontecer mais tem menor freqüência.
Outro aspecto é melhorar os processos com algum investimento sejam na compra de dispositivos ou ferramentas ou de revisão de fluxo e layout. Este modelo deve ser estudado de forma mais aprofundada identificando o retorno do investimento de forma bastante consistente.
Neste momento, são necessários métodos, que muitas vezes não são encontrados dentro da empresa.
No nosso caso buscamos redução de custos em logística. Na verdade logística se baseia exatamente nesta busca, ou seja, o melhor atendimento ao cliente através dos menores custos.
Recentemente realizamos um projeto para uma empresa que distribui produtos alimentícios através das grandes redes que utiliza na distribuição física, empresa de transporte com veículos refrigerados e pontos de apoio para suporte em diversas regiões do Brasil.
Na Grande SP, com a empresa opera com frota própria com mais de uma dezena de veículos de pequena  capacidade de carga  e alguns veículos agregados de acordo com a necessidade diária. O modelo de pagamento guardava algumas ineficiências, onde os veículos entravam em férias junto com os motoristas,  representando um decréscimo de 8% na capacidade de transporte de distribuição em São Paulo. Problemas operacionais foram encontrados como pouca capacidade de resfriamento dos produtos e embalagens de transporte danificadas na operação.
Como resultado da consultoria conquistou-se uma redução de custos no transporte da região do interior de São Paulo, num raio de 150 km na casa de dos 0,5 milhão de reais, implantada no primeiro mês das consultorias. Nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo foram feitos estudos de alternativas logísticas de menor custo.
Através da criação do KPI e controle de desempenho dos veículos da frota própria, através da implantação de controle, divulgação das ocorrências diárias de transportes e exposição das soluções para eliminar problemas elevando a carga por viagem, possibilitou a redução de custo por Kg de R$ 0,52 para R$ 0,38.
Através de um processo de benchmarking conquistamos melhores práticas de transporte refrigerado, planejando alternativas para a expansão da câmara fria de unidade no nordeste brasileiro. Calculamos os custos operacionais e investimentos fazendo orçamentos e projetos.
 Analisamos e controlamos melhor o tempo necessário para resfriar os produtos, com base na temperatura de entrada e de saída da câmara fria. A redução de temperatura nas câmaras permitiu a diminuição de tempo para o produto atingir a temperatura de entrega dos produtos. Combinação a essa ação o aumento de capacidade de armazenagem nas câmaras, através do uso de estrutura de maior adensamento de carga, passando de 350 paletes para 476 paletes.

O conjunto de ações permite uma redução de custos mais de R$ 2 milhões por ano. Mais detalhes do estudo de caso podem ser visto através do site da Interlogis, no endereço:



Nenhum comentário:

Postar um comentário